terça-feira, 1 de novembro de 2011

Projeto Semana da Criança

Projeto Dia das Crianças - Atividades, Jogos, Brincadeiras, E Ideias


BRINCANDO CANTANDO E JOGANDO A GENTE   
   

                           APRENDE!


A unidade de ensino da Escola Berta Veloso Passos pretende desenvolver o projeto semana da criança promovendo uma gincana cultural recreativa.

Período: Primeira quinzena do mês de outubro

RESPONSÁVEIS:                                     

As professoras Afalúcia Alves de Souza, Cosmerinda dos Santos Santana, graduadas em pedagogia com habilitação nas séries iniciais do Ensino Fundamental, pela UNEB – Universidade do Estado da Bahia; e a professora Silvana a qual esta em processo de graduação, pela mesma entidade UNEB, Maria Aurilene Santos Reis com formação em magistério, Vice diretora Silézia Maria de Santana Santos graduada em Pedagogia pela Universidade do Vale do Acaraú (UVA).
A semana das crianças se aproxima e nesse momento gostaríamos de poder oferecer a todas às crianças das escolas do Polo Itapicuru uma semana diferente; com atividades diferenciadas, que valorizam a interação, a ética, a cidadania, a construção do conhecimento lógico e o gosto pelas manifestações artísticas. Para tanto, será necessário o apoio da senhora Secretária de Educação Marizete, coordenadoras: Maria Aparecida e Lenivalda e da diretora Josete, no sentido de dar apoio pedagógico e de disponibilizar recursos que serão indispensáveis para o desenvolvimento das atividades que o projeto semana da criança comtemplará.  

EIXO TEMÁTICO:

Artes Visuais, Matemática, Movimento, Natureza e Sociedade, Linguagem Oral e Escrita, Identidade e Autonomia.
PÚBLICO ALVO - Educação Infantil, Ensino Fundamental I, família e comunidade escolar.
DURAÇÃO: 1ª semana do mês de outubro.

OBJETIVO GERAL

Promover a integração das turmas a partir da realização de gincanas com outras crianças das escolas do Polo Itapicuru, desenvolvendo atividades extraclasse, variadas e interessantes, visando dar a criança oportunidade de lazer e sociabilidade educativa, visando também à construção de brinquedos e lembrancinhas, que servirão, também, para comemorar o Dia das Crianças, em 12 de Outubro.


Objetivos específicos:


•Homenagear a criança

•Valorizar a criança.
•Festejar a semana da criança.
•Desenvolver a criatividade.
•Desenvolver a linguagem oral.
•Desenvolver a atenção e o raciocínio.
• Interpretar os direitos e deveres da criança.
• Promover uma gincana com  jogos e brincadeiras para a semana de criança.

JUSTIFICATIVA:

A criança tem o direito de ser feliz, de ser valorizada, respeitada e amada. Ela passa a maior parte do tempo na escola, que por sua vez desempenha sua função social proporcionando à criança um ambiente feliz, acolhedor e amável.

AVALIAÇÃO:

A avaliação deve buscar entender o processo de cada criança e a significação que cada trabalho comporta. A observação do grupo, além de diária e constante, deve fazer parte de uma atitude sistemática do professor dentro do seu espaço de trabalho.

RECURSOS:

Material didático: TNT, tinta, EVA, bexigas, bola; isopor;

Transporte escolar para locomoção dos alunos;

DESENVOLVIMENTO



Eventos para a semana do Dia das Crianças:

• Poemas
• Músicas
• Declaração dos Direitos da Criança
• Dramatização
• Oficina de brinquedos

• História coletiva
• Fantoches
• Jogos
• Brincadeiras
• Receitas, casa de chocolate
• Teatro
• Lembranças
• Desafios
• Passeios

ETAPAS:

Segunda - feira

Abertura envolvendo todas as pessoas que estão inseridas no processo ensino aprendizagem da Escola Berta Veloso Passos caracterizadas de palhaço;

Dramatização: Queremos paz no mundo; alunos do 3º ano do ensino fundamental do turno matutino;
Apresentação de vídeos de eventos e trabalhos realizados na escola;
Participação das coordenadoras: Aparecida e Lenivalda;
Construção da casa de chocolate;
Fazer brigadeiros que não vai ao fogo, junto com todas as crianças e, em seguida realizar a degustação.
No decorrer da semana estaremos realizando a gincana cultural educativa, contendo uma variedade de jogos os quais irão contemplar todo o público alvo, (crianças oriundas de outras escolas do Polo Itapicuru).

      Ser criança


"Ser criança é acreditar que tudo é possível.


É ser inesquecivelmente feliz com muito pouco.

É se tornar gigante diante de gigantescos pequenos obstáculos.

Ser criança é fazer amigos antes mesmo de saber o nome deles.

É conseguir perdoar muito mais fácil do que brigar.

Ser criança é ter o dia mais feliz da vida, todos os dias.

Ser criança é o que a gente nunca deveria deixar de ser."
(Gilberto dos Reis)





Criança


Como surgiu o dia das crianças?



A comemoração do dia da criança surgiu no Brasil, pelo deputado federal Galdino do Valle Filho, ainda na década de 1920. Depois de aprovada pelos deputados, o 12 de outubro foi oficializado como Dia da Criança pelo presidente Arthur Bernardes, por meio do decreto nº 4867, de cinco (05) de novembro de 1924.

Mas a data só "pegou" mesmo em 1960, quando Eber Alfred Goldberg, diretor comercial da Fábrica de Brinquedos Estrela, fez uma promoção conjunta com a Johnson & Johnson para lançar a "Semana do Bebê Robusto". Logo depois, as empresas decidiram criar a Semana da Criança, como meio de aumentar as vendas.
Como a proposta surgiu no final de junho e os organizadores pretendiam fazer algo ainda naquele ano, o mês escolhido para a comemoração acabou sendo outubro. A ideia foi um êxito.
No ano seguinte, os fabricantes de brinquedos decidiram escolher um único dia para a promoção e "ressuscitaram" o antigo decreto. A partir daí, 12 de outubro se transformou em uma das datas mais importantes do ano para o setor de brinquedos.

Dia Universal da Criança



A Organização das Nações Unidas (ONU) reconhece o dia 20 de novembro como o Dia Universal da Criança. Nessa data, também é comemorada a Declaração dos Direitos da Criança, aprovada em Assembleia Geral das Nações Unidas em 1959. Muitos dos direitos e liberdades contidos neste documento fazem parte da Declaração Universal dos Direitos Humanos. A Declaração dos Direitos da Criança estabelece, entre outras coisas, que toda criança requer proteção e cuidados especiais antes e depois do nascimento.

Declaração dos Direitos da Criança




1º Princípio – Todas as crianças são credoras destes direitos, sem distinção de raça, cor, sexo, língua, religião, condição social ou nacionalidade, quer sua ou de sua família.

2º Princípio – A criança tem o direito de ser compreendida e protegida, e devem ter oportunidades para seu desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, de forma sadia e normal e em condições de liberdade e dignidade. As leis devem levar em conta os melhores interesses da criança.

3º Princípio – Toda criança tem direito a um nome e a uma nacionalidade.

4º Princípio – A criança tem direito a crescer e criar-se com saúde, alimentação, habitação, recreação e assistência médicas adequadas, e à mãe devem ser proporcionados cuidados e proteção especiais, incluindo cuidados médicos antes e depois do parto.

5º Princípio - A criança incapacitada física ou mentalmente tem direito à educação e cuidados especiais. 6º Princípio – A criança tem direito ao amor e à compreensão, e deve crescer, sempre que possível, sob a proteção dos pais, num ambiente de afeto e de segurança moral e material para desenvolver a sua personalidade. A sociedade e as autoridades públicas devem propiciar cuidados especiais às crianças sem família e àquelas que carecem de meios adequados de subsistência. É desejável a prestação de ajuda oficial e de outra natureza em prol da manutenção dos filhos de famílias numerosas.

7º Princípio – A criança tem direito à educação, para desenvolver as suas aptidões, sua capacidade para emitir juízo, seus sentimentos, e seu senso de responsabilidade moral e social. Os melhores interesses da criança serão a diretriz a nortear os responsáveis pela sua educação e orientação; esta responsabilidade cabe, em primeiro lugar, aos pais. A criança terá ampla oportunidade para brincar e divertir-se, visando os propósitos mesmos da sua educação; a sociedade e as autoridades públicas empenhar-se-ão em promover o gozo deste direito.

8º Princípio - A criança, em quaisquer circunstâncias, deve estar entre os primeiros a recebe proteção e socorro.

9º Princípio – A criança gozará proteção contra quaisquer formas de negligência, abandono, crueldade e exploração. Não deve trabalhar quando isto atrapalhar a sua educação, o seu desenvolvimento e a sua saúde mental ou moral.

10 º Princípio – A criança deve ser criada num ambiente de compreensão, de tolerância, de amizade entre os povos, de paz e de fraternidade universal e em plena consciência que seu esforço e aptidão devem ser postos a serviço de seus semelhantes.


Divulgue esses princípios para outras crianças e famílias.


Devemos considerar que há algo de essencial no brincar para  o desenvolvimento humano. Através dele, os sujeitos interagem uns com os outros, experimentam e ressignificam o mundo, criam e imaginam, exteriorizam seus afetos, constroem e integram valores e costumes às suas vidas, brincam de vir a ser.

DECEPÇÕES


"Temos casos em que os pais se preocupam mais com o presente do que a própria criança. Eles veem a data como uma chance de se mostrarem presentes, o que não está certo, pois a criança necessita da presença dos pais todos os dias na sua vida".


Segundo psicólogos o que acontece hoje em dia é que os pais não querem que os filhos sofram decepções. Assim, não dar o presente no Dia das Crianças muitas vezes deixa os pais mais angustiados do que os
próprios filhos.

“Infelizmente, com essa preocupação os pais não conseguem perceber o que, na verdade, faz seus filhos felizes. Além disso, as decepções fazem parte da vida e do 
aprendizado e os filhos precisam aprender a lidar com elas desde pequenos".


CRIATIVIDADE


As professoras Afalúcia, Cosmerinda e Silvana da Escola Berta Veloso acreditam que; juntos, pais e filhos também podem descobrir outras formas para se divertir no dia das crianças como: confeccionar jogos e brinquedos com materiais mais simples que todos têm em casa, como sucata, tesoura, cola papéis e lápis. "Além de aproximá-los, desenvolve a criatividade das crianças”.


E, o importante mesmo é que os pais aproveitem a data para participar mais da vida dos filhos. Sair para brincar, fazer um piquenique, passear no parque, jogar bola, correr, fazer qualquer coisa para que eles se sintam amados, é mais importante.

Sugestões de atividades:

O Lúdico é a maneira mais eficaz de aprender de maneira divertida, e o professor deve saber quais são os tipos de jogos que podem auxiliá-los.




VAMOS JOGAR E BRINCAR PARA ANIMAR A GALERINHA UM POUQUINHO?

* Divida os alunos em duas equipes e atribua uma cor a cada uma delas. Dê uma bexiga para cada criança e oriente-as a encher os balões de ar até que eles estourem. Também é possível pedir aos alunos para encher as bexigas, amarrar as suas aberturas e sentar-se sobre elas. O grupo no qual todos os integrantes terminarem primeiro vence a dinâmica.

* Oriente os pequenos a percorrer um circuito com as seguintes etapas; primeiro um de cada vez, anda por um espaço previamente determinado por você. Depois, viram cambalhota em um colchonete. Em seguida, agacham para passar por baixo de um barbante esticado. Então, chegam a um local onde encontrarão espalhadas diversas garrafas pet sem tampa. As crianças precisam colocar as tampas nos recipientes e deixá-los em pé.

* Prepare um cartaz de papel kraft no qual devem estar escritas ou coladas todas as letras do alfabeto. Disponibilize para os alunos algumas figuras recortadas de revistas, de modo que cada grupo de até cinco integrantes receba a mesma quantidade de recortes. Oriente as crianças a deixar as gravuras com a parte colorida virada para baixo, e uma de cada vez deve pegar um recorte, observar o nome da figura e associar à primeira letra dessa palavra a letra correspondente no cartaz. Depois, ela deve fixar a ilustração junto à letra. Por exemplo, se tiver o desenho de um elefante, precisa colá-lo abaixo do "E".

* Peça antecipadamente para cada aluno trazer para a escola, na data estipulada por você, gravuras de animais e de pessoas. No dia da atividade, separe um pedaço de papel kraft para fazer um cartaz, reservando um lado para os bichos, e, o outro, para as pessoas. Oriente as crianças a identificar o lado correto e, assim colar as figuras nos locais correspondentes.

JOGOS DE FAZ-DE-CONTA


Envolvem a representação e a elaboração de papéis (como, por exemplo, médico,

feirante, manicure...); brincadeiras de escolinha ou de casinha quando a criança pode assumir diversos papéis; brincadeiras de teatro, mímica, fantoches.

CONSIDERAR: 


Que este é o espaço para imitar, fantasiar e simular acontecimentos.

DICAS: Estas brincadeiras são muito ricas e o adulto deve evitar intervenções. Uma conversa com o grupo após a brincadeira, deixando-os à vontade para descrever (ou não) os papéis e as situações representados, tendem a ser experiências muito ricas. 


JOGOS DE CONSTRUÇÃO

Acontecem quando as crianças usam, transformam objetos e materiais variados (blocos ou sucatas, por exemplo) e criam novos produtos (parque de diversões fazenda-engenhocas).

CONSIDERAR:

Nestes jogos as crianças começam a entrar em contato com o mundo social e a desenvolver níveis mais complexos de inteligência através do desenvolvimento de suas capacidades de antecipar situações, movimentos e elaborar propostas e possibilidades que podem ou não se concretizar. Estes jogos também possibilitam maiores oportunidades de cooperação entre as crianças.

DICAS: 

Para estes jogos devemos considerar a faixa etária aproximada da criança e observar se ela consegue, a seu modo, participar da brincadeira. É necessário que haja uma relação saudável entre o erro e o acerto, sem que a criança se sinta desestimulada a brincar. Não devemos esperar que ela brinque por horas a fio com estes materiais. Ela determina seu tempo. Fique atento para auxiliá-la com a solução de problemas, mas não tenha expectativas pautadas no modelo adulto.



JOGOS DE REGRAS

São aquelas brincadeiras que combinam aspectos motores-exploratórios (movimento corporal e sensações) e/ou aspectos intelectuais, com competição dos jogadores e regras pré-estabelecidas.

CONSIDERAR: 


Os jogos de regras começam a ser explorados pelas crianças, geralmente, entre

os 4 e 7 anos. Pega-pega, futebol, jogo do lenço-atrás são alguns exemplos. O xadrez, dama, dominó e jogos de percurso são exemplos da outra forma de combinação. Esses jogos também auxiliam no desenvolvimento das regras sociais.

Quando as crianças são submetidas às regras do jogo, elas vivenciam tais regras transpondo-as para outras situações e brincadeiras.

DICAS: É importante que as regras sejam apresentadas aos participantes antes do início do jogo de forma clara. Elas devem ser mantidas, tornando-se um desafio aos jogadores. Observar se todos entenderam as regras, se sugerem variações deste mesmo jogo com novas regras e se desejam batizar este novo jogo com nomes escolhidos pelo grupo.



ATIVOSJOGOS COOPERATIVOS

O importante é... Que todos participem, aproveitem , aprenda, deleitem-se.

CONSIDERAR:

 O individualismo e a riqueza material tornaram-se mais importantes para o homem pós-moderno que valores como a união, a cooperação, a paz, a responsabilidade e a organização.

A cultura da sociedade ocidental é baseada no consumo e orientada para a produtividade, portanto dentro deste contexto, muitas vezes o único caminho que vemos é o da competição.

Se acreditarmos que a competição é o único e natural caminho, caímos numa grande armadilha, afinal aquilo em que acreditamos é aquilo o que construiremos.


No entanto, há uma série de estudos os quais demonstra que crianças de várias classes socioeconômicas têm maior sucesso em áreas como matemática desenvolvimento vocacional e leitura quando estão trabalhando junto com seus colegas sob uma estrutura de objetivos cooperativos em vez de individualistas ou competitivos.


DICAS: A competição muito presente promove a comparação entre as pessoas e acaba por favorecer a exclusão baseada em critérios não discutidos, mas apropriados por todos. Um ambiente competitivo aumenta a tensão e a frustração e pode desencadear comportamentos agressivos.

 Comentários:

Todo ser humano necessita do contato com outras pessoas, pois é através da interação social que se desenvolve a linguagem, são reconhecidas as habilidades e são ampliados os conhecimentos em diferentes áreas. Para a criança, o contato físico, o social e a comunicação são fundamentais no seu desenvolvimento e uma das maneiras mais eficazes para ela estabelecer estes contatos é através da brincadeira.

Ao falar sobre a importância do brincar, é necessário definir tal conceito, diferenciando-o de outras formas de comportamento.
No entanto isso nem sempre é possível, visto que o brincar é um comportamento complexo e suas definições são, muitas vezes, insuficientes. De acordo com Kishimoto, a brincadeira possui um fim em si mesmo, ou seja, surge livre, sem noção de obrigatoriedade, exercendo-se pelo simples prazer que a criança encontra ao colocá-la em prática. As crianças possuem diversas razões para brincar, sendo uma delas o próprio prazer que podem usufruir enquanto brincam.

No entanto, é importante salientar que a brincadeira possui um lugar fundamental no desenvolvimento infantil. A importância da brincadeira pode estar relacionada com a possibilidade de fornecer à criança um ambiente planejado e enriquecido que propicie a aprendizagem de várias atividades. Além disso, a brincadeira está ligada também aos aspectos do desenvolvimento físico, cognitivo, social e afetivo.
.
A brincadeira, ainda, contribui de forma bastante efetiva para o relacionamento social das crianças, visto que oferece uma forma livre e autônoma de interação entre as mesmas. Através dela, a criança é capaz de resgatar valores e sentimentos que são importantes para a vida adulta, como a responsabilidade, além aprender a importância da negociação, da conquista, de conviver com regras e a resolver conflitos4.

Por fim, o aspecto afetivo da brincadeira encontra-se na possibilidade que ela oferece de a criança se conhecer melhor tendo, assim, oportunidades de encontrar nos outros atitudes e habilidades que causem admiração, que combinem com sua maneira de pensar, que causem vontade de conhecer melhor o outro, emergindo daí as primeiras amizades. Através das brincadeiras as crianças podem exprimir a sua agressividade, dominar suas angústias e trabalhar a ansiedade.

Referências

São Paulo (SP), Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. São Paulo é uma escola - Manual de Brincadeiras/ Secretaria Municipal de Educação. - São Paulo : SME / DOT, 2006

. Kishimoto TM. O jogo na educação infantil. 3ª ed. São Paulo: Pioneira; 1994. e
             
              pt.wikipedia.org/.ação_Universal_dos_Direitos_da_Criança.      
              eclar
“Brincar com as crianças não é perder tempo, é ganhá-lo, se é triste ver meninos sem escola, mais triste ainda é vê-los sentados enfileirados, em salas sem ar, com exercícios estéreis, sem valor para a formação do homem.”

                                                                  Carlos Drummond deAndrade



UM MUNDO TODO NOSSO.


Ser criança é retornar sempre a infância.



Ser criança é fazer amigas antes mesmo de saber o nome delas




Ser criança é..................................         dar a luz a uma criança.




Ser criança é estar  sempre em harmonia de mãos dadas todos os dias.



                                           Ser criança não é esquecer de ser criança.  




                                                 Ser criança é não perder a esperança




                                    Ser criança é não ter vergonha de mostrar a sua beleza




Mãe e filha. Lindasssssssssssssss


Ser criança é transferir com alegria, o que sabe para as crianças.





Ser criança é gostar de dar doce as crianças KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Nenhum comentário:

Postar um comentário